magazinedmtech

domingo, 21 de agosto de 2016

CAPÍTULO 10: O DIAGNÓSTICO VERDADEIRO ENCONTRA-SE QUANDO MENOS SE ESPERA E ONDE NINGUÉM IMAGINA




          Meu pensamento às vezes é contraditório! Entro em contradição frequentemente. Uma hora sou o silêncio, outra sou trovão! Ao mesmo tempo em que sinto fé em Deus, questiono os Seus projetos para a minha vida. Acreditava em destino! Acreditava que nada acontecia por acaso... Aí veio um professor do meu antigo Curso de Ciências Contábeis dizer que sem planejamento, somente por acaso se chega a algum lugar. Num passado recente não tinha a clareza que tenho hoje. Minha vida era uma mão/contramão sem fim, pois quando falava uma coisa, praticava outra completamente diferente. Parecia até que eu era hipócrita! Mas quem nunca foi hipócrita, demagogo, ou pecador que atire a primeira pedra!
           Quando eu dizia aos meus conhecidos colaboradores que havia atingido um nível mais elevado de espiritualidade, alguns riam ou faziam pouco do que eu estava falando (e com toda a razão, diga-se de passagem). Não havia nenhuma modéstia nas palavras saídas de minha boca, mas nas épocas de crise me sentia mais próximo de ser um anjo celestial do que de ser um humano. Blindei meu coração para que ele só absorvesse pensamentos “positivos” (fruto da minha imaginação) e simplesmente ignorasse os pensamentos negativos (advindos do mundo) tão comuns no nosso dia a dia. Uma figura que ilustra bem essa blindagem é o meu quarto, sempre fechado e poucos adentram nele. Como um castelo fortemente protegido pela porta, dentro do quarto sentia-me protegido e sair dele significava a mercê do perigo no contato com outras pessoas. Essa ideia (blindagem do coração) era a verdadeira fortaleza que me protegia do mundo hostil ao meu redor. Uma ideia enraizada bem lá no fundo da minha mente, que confundia o meu coração e me isolava das outras pessoas.
Estava completamente equivocado em meus pensamentos, pois fantasiava que eu não era eu, mas o Pai que habitava em mim. Como se eu fosse digno de receber tal graça.
Sufoquei o amor que havia em meu coração, não consegui reproduzir a felicidade que o amor proporciona, e, acima de tudo, transformei Deus numa barreira que me impedia de vivenciar os bons sentimentos imbuídos em qualquer ser humano.
Não devemos fugir dos sentimentos humanos na tentativa de nos tornar mais divinos, pois são justamente os nossos sentimentos (exceto o pecado) que nos tornam tão parecidos com Deus. Ninguém é capaz de imaginar o tamanho do sentimento de amor incondicional que Deus tem por nós.
Felizmente, hoje percebo que não devemos enxergar o mundo como um inimigo mortal, mas devemos sentir Deus como o nosso principal aliado.
 “O orgulho é o maior pecado da nossa virtuosa existência, pois nos impede de ver o quanto a nossa fé é infinitamente maior do que uma SEMENTE DE MOSTARDA.”
Um grande amigo uma vez disse: “É melhor cair em contradição do que despencar do 100º andar de um prédio em Londres”. Realmente, se você está querendo cometer suicídio o caminho mais rápido é abrindo a boca ou pulando de um lugar bem alto. Por favor, não comprem apartamentos em coberturas! A Torre de Babel 27 é um exemplo de que ser bipolar muitas vezes é perigoso. Primeiro você sente uma vertigem ao chegar bem próximo de Deus. Depois que experimenta o sabor da “felicidade” de estar à direita de Deus é inevitável tentar convencer os outros de que a sua “verdade” é BLÁ... BLÁ... BLÁ. Foi nesse contexto que o um amigo me aconselhou a fechar a boca por um instante e tentar descer do pedestal. Nunca imaginei que poderia aprender algo tão importante com um amigo ateu. Às vezes tenho a impressão que muitos ateus nos precedem no Caminho do Reino de Deus.
            A Primeira Carta de São Paulo aos Coríntios inspirou o poeta Renato Russo em uma de suas músicas: “Mesmo que eu falasse a língua dos homens e falasse a língua dos anjos, sem amor eu nada seria”. 28
            O mesmo Renato Russo reforça o conceito de amor ao declarar em uma de suas músicas: “Disciplina é liberdade, compaixão é fortaleza, ser bondade é ter coragem. Lá em casa tem um poço e a água é muito limpa”.
           Agora adivinha de quem é a casa, o poço e a água? Em minha interpretação, Renato Russo fala de Deus! Não estou dizendo que o ser humano não seja capaz de ser disciplinado, forte ou bondoso. Mas vamos falar sério... Quando o assunto é ser humano, a casa é minha, o poço é fundo e a água é meio limpa!
        Por favor, não me chamem de hipócrita. Sinto amor quando Deus está em mim e eu Nele! Justamente por isso eu deveria sentir amor sempre... Mas, infelizmente, a bipolaridade não deixa.
          Vivenciar o amor em toda a sua plenitude! Essa é uma liberdade que todo o ser humano tem e deseja. E, muitas vezes, é através do sofrimento e da provação que se alcança a felicidade do amor. Como bem nos exemplifica a vida de Jesus Cristo.
     Espero algum dia poder respirar um pouco deste tão PREDESTINADO sentimento de FELICIDADE sem recair no infeliz “DESTINO” daqueles que não seguem a Palavra de Deus...
Devido ao meu QE (Quociente Emocional) ser instável e um tanto mal evoluído, imaginava sempre a FÉ como uma força diretamente proporcional à AUTOESTIMA... Contudo, quando a autoestima está baixa temos que manter o nosso grão de mostarda em segurança num lugar aonde a MORTE não consiga achar por mais que procure...
        A minha rede de dormir parece um coração! Quando estou depressivo me agarro nela com força e choro, lembrando os momentos felizes que passamos juntos. E olha que eu amava geladeiras, pois geladeiras têm muita beleza interior, são frias, paradas e não reclamam de nada. Precisando nos dirigimos a elas e, pronto, abrimos e sentimos toda a alegria de uma amiga que nos alimenta, como uma mãe.  Porém, agora, escolhi a rede de dormir como minha atual companheira, pois nela deito e não durmo, apenas penso na vida que poderia ter sido, mas não foi. Aliás, pensar é o meu vício predileto. Além disso, quando a depressão vai embora da minha vida pela porta dos fundos e deixa a mania entrar pela janela da alma, tenho a possibilidade de usar o coração da minha rede como um saco de pancadas.
         Como canta o vocalista da banda Legião Urbana, Renato Russo, na música Meninos e Meninas: “Me deixa ver como viver é bom... Não é a vida como está, mas as coisas como são”. Isso é o que realmente importa na vida daqueles que experimentam as instabilidades emocionais. Espero aprender ainda muitas lições com os heróis da minha infância e adolescência. Entretanto, há exemplo da letra da música Memórias da cantora baiana Pitty: “Eu fui matando os meus heróis, aos poucos, como se já não tivesse nenhuma lição para aprender. Eu sou uma contradição e foge da minha mão fazer com que tudo que eu digo faça algum sentido”.
         Agora me digam... Onde Nossa Senhora do Patrocínio entra nesta história? Recebi duas grandes graças desta representação de Maria que transborda amor pelo seu manto sagrado. Para início de conversa, Nossa Senhora do Patrocínio é a padroeira de uma cidadezinha pacata e bastante acolhedora localizada no interior do estado brasileiro do Rio Grande do Norte. A cidade de São Fernando está encravada no Semiárido seridoense e possui uma população de aproximadamente 3500 corações pulsantes e calorosos, sedentos de amor e dispostos a retribuí-lo na mesma moeda.
           Fui agraciado com a aprovação no Concurso Público da Prefeitura Municipal de São Fernando após uma árdua batalha onde as armas eram os livros e a meta era a vitória, principalmente no que tange as competências matemáticas, sabidamente conhecidas como meu calcanhar de Aquiles. Isso tudo foi conquistado em meio a um problema de saúde na família, pois minha mãe é diabética e encontrava-se enferma com um grave ferimento na perna. Felizmente, a saúde da minha mãe se restabeleceu após um tratamento que exigiu dedicação de toda a família e, passadas algumas semanas da realização das provas, tudo voltou à normalidade... Passei em 2º lugar no Concurso de São Fernando. Lembro profundamente que nos momentos que antecederam a realização das provas aproveitei que a Igreja Matriz de Nossa Senhora do Patrocínio estava aberta, entrei e rezei um mistério do terço pedindo luz para iluminar os meus passos na hora da prova e, como agradecimento, prometi a Nossa Senhora que, independentemente do resultado do Concurso, minha presença seria marcante (e realmente foi) na festa em honra a Santa Padroeira de São Fernando. No final de novembro de 2010, fui cumprir a promessa e recebi uma benção inesperada das mãos Santas de Nossa Senhora do Patrocínio. O inesperado às vezes traz consigo o sofrimento e o discernimento necessários ao crescimento (físico, mental, social e espiritual) do ser humano e ao desvelamento de tudo aquilo que antes se encontrava oculto. Sabe qual foi à benção de Nossa Senhora para a minha vida? Minha primeira grande crise depressiva. Todos ficaram atônitos com o meu comportamento fora do comum. Fiquei curado da depressão após dois meses tomando medicamentos antidepressivos. Costumo dizer que na bipolaridade a depressão é uma criminosa reincidente. No mês de julho de 2011, a bendita da depressão voltou. Tentei manter-me no emprego, mas preocupado com a possibilidade de não atender as expectativas geradas por minha imaginação fértil, pedi demissão! Foi à escolha certa? Não sei! Existe luz no final do túnel? Talvez?!
Além de passar no Concurso da Prefeitura de São Fernando, fui aprovado no Concurso da Prefeitura de Caicó (minha cidade natal), cidade também localizada no interior do estado brasileiro do Rio Grande do Norte. Não tenho certeza se vou ser chamado para trabalhar ou se vou ser perseverante no trabalho? O que sei é que agora, neste exato momento, estou livre da depressão por tempo indeterminado.
         Não sou o dono do mundo, mas sou filho adotivo do Dono. Apesar disso, o amor de Deus é uma herança que não cabe no meu peito e o meu amor nunca preencheria por completo o coração de um povo que é “santo” até no nome.
Na verdade não sou tão fechado quanto às pessoas pensam. Em alguns momentos, sou bastante passional nas minhas relações com os outros. Às vezes penso que me envolvo demais, quando deveria estar envolvendo-me de menos.
Numa das minhas viagens a trabalho peguei o transporte, como sempre fazia, e no caminho a cidade de São Fernando tive o privilégio de conversar com uma senhora que me deu um conselho um tanto infeliz, mas carregado de sabedoria. Ela me falou que a sua filha havia comentado sobre a chegada de um funcionário novato à escola, um digitador meio tímido que pouco fala e muito escreve. A referida senhora deu uma dica que mudaria a minha vida completamente: “Comunicar-se com as pessoas a sua volta é fundamental para que elas possam retribuir o amor que você tanto merece”. Mal sabia ela em toda a sua experiência de vida que o silêncio é uma das maiores orações, mas ficar calado também é um pecado. Então o que fazer? Abrir o verbo foi a minha péssima escolha! Como diz o ditado popular: “Em boca fechada não entra mosca”.
A leitura do livro “A Metamorfose” de Kafka foi bastante reveladora no que diz respeito à forma como a sociedade trata o indivíduo e como o indivíduo enxerga-se diante da sociedade. Muitas vezes a família, amigos, colegas de trabalho, enfim, a sociedade nos transforma em verdadeiros insetos, mas ocorre, às vezes, de nos tornarmos insetos por conta própria.
Há uma frase que a minha falecida neurologista dizia sempre e nunca mais esquecerei: “Aprenda a dizer um sim às boas oportunidades e um não convicto quando for necessário! E, acredite, quase sempre é necessário”.
Graças a Nossa Senhora do Patrocínio e a cidade de São Fernando, percebi a importância do equilíbrio entre abrir bem os ouvidos e manter a boca fechada. Além disso, percebi o quanto sou querido! Quem decidiu ficar ao meu lado na luta diária em busca do equilíbrio constante me fez perceber que o amor deve ser integral. Não se ama uma pessoa apenas pelas suas qualidades, mas também pelos defeitos.
      Tenho consciência de que não devo alimentar a culpa a ponto de deixá-la bem nutrida, transformando-a em ressentimento, mágoa e remorso. Existe um ditado popular que diz: “Errar é humano, perdoar é divino!” Devemos sempre pedir perdão a Deus e nos deixar perdoar por Ele! Somente assim seremos capazes de nos perdoar e perdoar o nosso próximo. O perdão é o primeiro passo para a reconciliação!


_________________________________________
27 Gn 11, 1-9
28 1Cor 13



FONTE: ARAÚJO, Denio Medeiros de; SIMPLESMENTE BIPOLAR; 1º Edição Digital, Caicó: Editora Blogger, 2016.

Nenhum comentário:

Postar um comentário