magazinedmtech

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

ALIMENTAR OS FAMINTOS

"Não só de pão vive o homem, mas de toda palavra que procede da boca de Deus" (Mateus 4, 4)

O problema da fome no mundo - em que pese o avançado estágio atual da técnica - continua a ceifar muitas vidas e constitui um desafio para as autoridades, as instituições e a sociedade toda. A Igreja não deve se isentar dessa preocupação. Jesus Cristo envolve os discípulos na solução do problema: "Fazei sentar as pessoas". Os quatro evangelhos narram seis multiplicações de pães, o que mostra a importância que a Igreja primitiva dava ao assunto. A Igreja encontra a sua verdadeira identidade à medida que as necessidades dos outros se tornam assunto dela.
Alimentar os famintos é uma das "obras de CARIDADE" - certamente uma das mais NOBRES. Dar comida a quem tem fome não deve ser visto apenas como gesto de assistencialismo. Quem tem fome não pode esperar. Tal ação deve representar também e principalmente uma preocupação com políticas públicas em favor dos famintos e empobrecidos, voltadas à distribuição JUSTA de renda, à criação de empregos...
A desproporção constatada por André no Evangelho de João (6, 1-15) - cinco pães para cinco mil homens - é a imagem mais provocadora de uma Igreja pobre e modesta, composta de gente que "não conta". A desproporção se anula quando o pouco é distribuído, partilhado de maneira JUSTA. Preocupar-se com os famintos não é pedir a Jesus Cristo que transforme as pedras em pães. Significa, antes, aceitar que ele transforme NOSSO coração de pedra em coração de carne, capaz de saciar as pessoas com nosso serviço e nossa solidariedade, superando a cultura do INDIVIDUALISMO.
A questão do pão material está intimamente ligada à eucaristia. Não nos é permitido celebrá-la com a consciência tranquila enquanto houver alguém passando fome. Quando comungamos o pão eucarístico, devemos estar dispostos a partilhar também o pão material com os irmãos e irmãs necessitados. Quem não se dispõe a isso, como pode se aproximar de Jesus Cristo partilhado em alimento? Dividir o pão eucarístico é tarefa da Igreja tanto quanto a solidariedade e a partilha com os que sofrem a fome de pão material, síntese de todas as necessidades básicas da pessoa humana.

FONTE: Semanário Litúrgico-Catequético "O DOMINGO" (ANO LXXX - Remessa X - 29-07-2012 - nº 36)
AUTOR DO TEXTO: Padre Nilo Luza, ssp

OBS - O CONTEÚDO DO TEXTO SOFREU ALGUMAS PEQUENAS ALTERAÇÕES REALIZADAS POR : Denio Medeiros de Araújo

Nenhum comentário:

Postar um comentário