magazinedmtech

domingo, 29 de maio de 2011

SEMANA DO MEIO-AMBIENTE

No Coração da Natureza bate um sinal de ESPERANÇA.

Atualmente, existem bons e maus exemplos no que diz respeito a preservação do meio-ambiente. Esses bons e maus exemplos surgem tanto da base quanto do topo da Pirâmide Social.
Há um tempo atrás, surgia um grande defensor do meio-ambiente que ainda permanece no imaginário popular como um dos primeiros mártires da causa ambiental. O nome desse grande exemplo de vida que doou a própria vida pela luta em prol da proteção ao meio-ambiente é Chico Mendes. Esse grande seringueiro denunciava donos de madeireiras e grandes proprietários de terra, principais responsáveis pela devastação da Amazônia. Chico Mendes defendia as atividades extrativistas que tem como foco principal o DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Outros defensores da EXPLORAÇÃO ECONÔMICA SUSTENTÁVEL da Floresta e da preservação da fauna e flora nativas foram vítimas de atentados à vida nos últimos anos. Não podemos deixar de citar alguns exemplos marcantes de pessoas que deram a vida para defender a natureza: Dorothy Stang, José Cláudio Ribeiro, Maria do Espírito Santo. Essas duas últimas vítimas da luta pela defesa da natureza (José Cláudio Ribeiro e Maria do Espírito Santo) eram casados e lideravam um projeto de extração sustentável de castanhas e cupuaçu e denunciava a retirada ilegal de madeira. Há seis meses, durante uma palestra, em Manaus, José Cláudio disse que recebia ameaças de morte.
No plano Governamental, não vemos muitos esforços para impedir a destruição da Floresta Amazônica. Inevitavelmente, vamos presenciar ao longo dos próximos anos a devastação do nosso maior patrimônio natural. A exemplo do que ocorreu e cotinua ocorrendo com a Mata Atlântica, que hoje se resume a uma pequena faixa de terras com floresta nativa correspondendo a apenas 8% da cobertura original, a Amazônia também perderá a sua cobertura original ao longo do tempo. A ganância do homem vai muito além do que nós podemos suportar. Afinal de contas, a Floresta Amazônica só conseguiu respirar um pouco de vida porque a colonização do Brasil começou pelo LITORAL. Mas a ESPERANÇA é a última que morre e nós temos que ter FÉ. Deus haverá de obrar um milagre antes que seja tarde demais. Só não sei se o tempo de Deus e o tempo dos homens vão ser compatíveis com o IDEAL de PRESERVAÇÃO.

Autor Desconhecido: Denio Medeiros de Araújo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário